As lesões ortopédicas têm cura?


As lesões ortopédicas têm cura?

Antes de mais nada, peço, por gentileza, que leia o texto até o final.

É uma pergunta que quase nenhum paciente se faz e nenhum ortopedista responde.

Por mais difícil que seja aceitar, a grande maioria das lesões ortopédicas NÃO têm cura.

Com exceção das fraturas, luxações e contusões tratadas que se curam através de imobilizações ou tratamento cirúrgico, das tendinites e tendinopatias, que se curam( sim, tendinite tem cura) depois de tratamentos que melhoram a função do membro afetado, e entesopatias( doenças nas origens e inserções dos tendões), a maioria das causas de dor na área ortopédica não tem cura.

Não é o fim do mundo, mas é preciso entender o porquê deste texto “sensasionalista”.

As patologias com maior frequência da prática ortopédica são os traumas( contusões, entorses e fraturas), artroses( desgaste articular dos joelhos, coluna, quadril e etc), doenças dos tendões, doenças dos discos da coluna e patologias da mesma.

Destes, as artroses e lesões da coluna são causas frequentes de dor, que acometem desde a 3° década de vida até a faixa etária dos idosos e causam prejuízos físicos, psicossociais e laborais graves. E são justamente elas que não têm cura. Só para se ter noção, em casos avançados, são usados medicamentos derivados da morfina e anti-depressivos para o controle da dor.

Não ter cura não significa uma tragédia. Porém, sempre alerto meus pacientes sobre isso, dizendo que, exatamente por serem lesões incuráveis, que nunca mais se deve deixar de dar atenção. Muitos encaram essas patologias somente com uma “dorzinha”, fazem o tratamento proposto, melhoram os sintomas e acham que estão curados. É nesse momento que o seguimento médico é importante. 95% dos pacientes que passam em consulta comigo terminam a reabilitação proposta, melhoram, mas não retornam para reavaliação e orientação ou não mantém um programa contínuo de atividade física. Não existe nenhum medicamento no mercado que cure essas lesões. Ou seja, ao parar o uso do anti-inflamatório ou analgésico, a dor, cedo ou tarde, VAI voltar.

Por se tratarem de lesões que se comportam como doenças crônicas, nas quais é preciso tratamento para o resto da vida, as patologias ortopédicas citadas acima dependem muito mais do paciente do que da equipe de saúde. Se não houver consciência de que uma vez instaladas, essas doenças não regridem mais e que, portanto, o tratamento será para sempre, as dores voltarão, as lesões progressivamente aumentarão. Não é necessário fazer fisioterapia a vida toda, mas um programa de exercícios simples que mantém a musculatura ativada, fortalecida e alongada é obrigatório, pois a atrofia e fraqueza musculares são fatores que fazem parte da causa das lesões citadas acima. O corpo humano é esperto. Se você pára de usar seus músculos, ele entende que é um gasto de energia a mais e vai trocá-los por gordura e tecidos inúteis funcionalmente falando, no que se refere a articulações. Isso vira uma bola de neve, pois a artrose aumenta, fica mais difícil de reabilitar pois a musculatura não desenvolve devido ao bloqueio causado pela dor.

No mundo ideal, a prevenção de doenças ortopédicas seria imperativo. Por enquanto, são poucas as vozes que levam isso a público, infelizmente, visto que 95% dos pacientes que nos procuram com essas queixas já têm uma sequela instalada, na maioria das vezes causada pelo estilo de vida desregrado, com sobrepeso, sedentarismo e má postura. Culpa de quem? Dos médicos, que não focam a abordagem na prevenção, nas sociedades médicas, na falta de política pública de prevenção de doenças ortopédicas( desconheço que isso exista) e dos pacientes inclusive, que destróem suas articulações e coluna no decorrer dos anos sem o devido cuidado de procurar orientação.

Esse texto, portanto, é somente um desabafo e um conjunto de orientações para tentar melhorar as condições de saúde de quem o lê, prevenir as doenças ao invés de chegarem no consultório com lesões incuráveis. Pratique exercícios com orientação, fique de olho na postura e dieta, saia do sobrepeso, viva mais e melhor.

Um abraço!
Dr Luiz Tintori, CRM-SP 129.789

 




Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

× Tire Suas Dúvidas